O STF e a política brasileira – atuação excessiva ou equilibrada?